Destas mãos que falam, saem gritos d'alma, gemidos de dor, às vezes, letras com amor, pedaços da vida, por vezes sofrida, d'um iletrado escritor. Saem inquietações, também provocações, com sabor, a laranjas ou limões. Destas mãos que falam, saem letras perdidas, revoltas não contidas, contra opressões, das nossas vidas! (AJoão)

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Hoje acontece o Solstício de Inverno em Portugal



Solstício de Inverno é um fenómeno astronómico que acontece todos os anos ao dia 21 ou 22 de dezembro.
Em 2017 este Solstício ocorre hoje, 21 de dezembro, pelas 16 horas e 28 minutos.
Esta data marca o início do Inverno no hemisfério norte e do Verão no hemisfério sul.
Este dia é o dia mais curto do ano e consequentemente a noite mais longa do ano.
A partir deste dia a duração do dia começa a crescer.
Na antiguidade, este dia simbolizava a vitória da luz sobre a escuridão.
Os Solstícios ocorrem duas vezes ao ano - no dia 20 ou 21 de junho acontece o Solstício de Verão, e no dia 21 ou 22 de dezembro ocorre o Solstício de Inverno.
O Solstício que marca o princípio do Inverno em Portugal corresponde à data em que o Sol se encontra mais a sul.
A palavra Solstício vem do latim "sol" e sistere "que não se move".
O Solstício de Inverno ocorre quando o Sol atinge a maior distância angular em relação ao plano que passa pela linha do equador.







Imagens do Google

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Tabaco matou uma pessoa a cada 50 minutos em Portugal em 2016





«Uma pessoa morreu a cada 50 minutos em Portugal, no ano passado, por doenças atribuíveis ao tabaco, segundo o relatório do Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo que será hoje apresentado.
O documento, a que a agência Lusa teve acesso, divulga dados de 2016, com base em estimativas elaboradas pelo Institute of Health Metrics and Evaluation, segundo os quais, nesse ano, morreram em Portugal mais de 11.800 pessoas por doenças atribuíveis ao tabaco.»

Agência LUSA, 17 de Novembro de 2017









Porque hoje é sex-feira...







segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Presidente Marcelo, sempre o primeiro a chegar







Pessoas certas não existem







CASOS DO ACASO


Ontem, domingo, passei o dia em Lisboa e, mais uma vez, fui lanchar ao Galeto (restaurante da Av. da República, em Lisboa, que eu frequentava diariamente, antes de vir morar para o Ribatejo) e encontrei por lá o meu parente Adolfo Dias, um primo conhecido na zona das Avenidas Novas por “Dias e Dias à grande e à francesa”.
Depois de me relatar o estado de saúde e outras desgraças dos nossos 312 familiares mais chegados e de me informar que a nossa prima Eva Gina dos Prazer
es e Morais anda engalfinhada com um tal de Óscar Alho da Silva, também conhecido na região saloia por Trouxa da Malveira, desafiou-me:
- Primo Alberto, logo à noite vou jantar com a Amália e o Eusébio, queres ir comigo?
- Jantar com a Amália e o Eusébio? Mas… onde, primo Dias?
- No Panteão Nacional, primo.
- Não, obrigado, primo. Vou jantar a Muge, com o burro do Alberto, o outro.
- Bom proveito, primo Alberto João!
- Bom apetite, primo Adolfo Dias!







Matou alguém na guerra, Lobo Antunes?




Bom dia!
Nesta entrevista de Lobo Antunes ao Diário de Notícias, publicada ontem, 12 de novembro de 2017, a dada altura o jornalista pergunta;
- Matou alguém na guerra?
- "... Vamos passar para a pergunta seguinte", responde o escritor.
Ao ler isto, com sentida emoção, vieram-me à memória as palavras "Quem nunca viu, Quem nunca andou a combater. Não dá valor, nem faz idéia o que é sofrer.Ter de matar p´ra não morrer" escritas e cantadas pelo meu ilustre amigo
Paco Bandeira (vídeo publicado embaixo).
Felizmente, o 25 de Abril salvou-me da guerra do ultramar.
Se outras razões não houvessem, e há bastantes outras, o facto de não ter ido para a guerra obriga-me a uma IMENSA GRATIDÃO para com os homens que fizeram o 25 de Abril.
Obrigado, Capitães!






Contador, desde 2008:

Localizador, desde 2010:

Acerca de mim

A minha foto
"Horta do Zorate" é um blogue pessoal, editado por Alberto João (Catujaleno), cidadão do mundo, fazedor desencostado, em auto-construção há 59 anos.